DIANTE DA DURA NECESSIDADE DE CORTAR PESSOAS, COM QUE CUIDADO VOCÊ, que é gestor, deve conduzir AS DEMISSÕES?

HÁ POUCO TEMPO, ao ALMOÇAR NA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE UM SHOPPING, SENTEI AO LADO DE UMA MESA ONDE dois EXECUTIVOS conversavam. FOI INEVITÁVEL ouvi-los. O PRIMEIRO DISSE:

– ESTA SEMANA É DECISIVA. ATÉ SEXTA, DEMITO O RODOLFO. É UM CARA LEGAL, gosto dele, MAS TEVE muito DESGASTE POLÍTICO COM O CONSELHO E NÃO dá mais PARA SEGURAR.

O SEGUNDO indagou:

– QUE MOTIVO VOCÊ ALEGARÁ?

A resposta veio a partir de uma boca cheia de batata frita:

– DIREI QUE O PROBLEMA É DESEMPENHO.

– MAS O RODOLFO É A PESSOA MAIS BEM AVALIADA DO TIME…

SEGUIU-SE UM SILÊNCIO constrangedor. O PRIMEIRO VOLTOU A FALAR:

– Bem… ATÉ sexta penso em algum motivo… Você quer SOBREMESA?

E assim FOI TRAÇADO O DESTINO DE RODOLFO. Assustador, não é? Conheço histórias horripilantes: PESSOAS DEMITIDAS PELO TELEFONE ou por email; algumas desligadas por figuras que nunca viram antes na vida; outras que SE RECUPERAVAM de graves DOENÇAS e aquelas que descobriam seus CRACHÁS BLOQUEADOS QUANDO RETORNAVAM PARA O ESCRITÓRIO depois do ALMOÇO ou das férias.

A FORMA PODE SER PIOR DO QUE A DEMISSÃO em si.

NÃO ADIANTA INVESTIR EM AÇÕES de engajamento e CLIMA organizacional SE NA HORA DE DEMITIR A EMPRESA DESCONSIDERA O IMPACTO QUE CAUSA NA PESSOA que sai e naqueles que ficam. Gera-se uma percepção de que as pessoas não importam. E AÍ, COMO cobrar COMPROMETIMENTO daqueles que permanecem? A RESPOSTA VIRÁ NOS RESULTADOS e NA FALTA DE ENGAJAMENTO.

DEMITIR NÃO É FÁCIL. MAS SE É UM MAL NECESSÁRIO, conduza o PROCESSO EQUILIBRANDO RAZÃO E SENSIBILIDADE. SEJA TRANSPARENTE, FALE a VERDADE e se prepare para a conversa. MANTENHA-SE COERENTE COM os valores da empresa e com tudo aquilo que sempre defendeu.

EM CONDIÇÕES NORMAIS, UMA DEMISSÃO por desempenho NÃO DEVERIA SER SURPRESA sempre que os gestores cuidam dos processos de feedback. Mas o momento DA DEMISSÃO NÃO é mais a hora PARA DAR FEEDBACKS.

Poupe a pessoa de CONSTRANGIMENTOS. A menos que você tenha motivos relevantes para isso, evite situações que pareçam “escoltar” o indivíduo para fora da empresa.

E TALVEZ O MAIS IMPORTANTE: COLOQUE-SE NO LUGAR dessa pessoa, dando sentido real à palavra EMPATIA.

Lembre-se: CONSCIÊNCIA TRANSFORMA A REALIDADE.

ROGÉRIO CHÉR: FALANDO COM VOCÊ SOBRE propósito de VIDA E CARREIRA.

 

 

 

Comments

comments