Não se engaja a moçada entre 18 e 25 anos do mesmo jeito como engajamos os demais. O que precisamos levar em conta quando o tema é engajamento desta geração?

Recomendo aos meus clientes e amigos considerarem os seguintes fatores:

1) Estilo Digital: Esta turma já nasceu com mentalidade digital e coletiva. Suas experiências com a vida, com o trabalho e com os demais à sua volta obedecem às características do instantâneo, simplificado, amigável, útil, móvel e “gamificado“, ou seja, com etapas claras a serem vencidas, complexidade crescente em cada uma delas, aprendizado, recompensa e feedback a cada desafio superado.

2) Conexão com Causa: Seu grande desejo não será “vestir a camisa” da empresa e se apaixonar por planejamentos, números e metas. São aspirações destes indivíduos: alinhamento com a Cultura, admiração pela reputação da Organização e de seus Líderes, bem como a conexão com Propósito significativo. Engajam-se quando as experiências são cheias de sentido e querem ter um “porquê” relevante, e não apenas um emprego.

3) Felicidade da Busca: Tão importante quanto olhar para o futuro será curtir o caminho até lá. Realização profissional e prazer estão fortemente vinculados, combinando paixão e trabalho. Não esperam que depois de décadas de trabalho árduo possam finalmente encontrar a felicidade. Desejam vivê-la ao longo da jornada.

4) Inquietação permanente: São impacientes quando o que fazem não gera resultado imediato. Projetos com retornos somente a longo prazo são menos sexy. Mantêm um certo senso de insatisfação, de busca por respostas e perguntas capazes de alavancar a criatividade e a geração de ideias disruptivas. São naturalmente mais abertos à experimentação e à inovação. Não se intimidam por organogramas e hierarquias e desejam navegar livremente entre áreas, setores e departamentos para estabelecerem vínculos com os demais Talentos espalhados pela empresa.

5) Multiculturalidade e Colaboração: Adoram trabalhar com pessoas de outras gerações e especialidades, com respeito mútuo e relacionamento de igual para igual. Têm forte adaptabilidade ao diferente, à diversidade e topam trabalhar em ambientes colaborativos, desde que isso não sufoque sua individualidade e sua disposição para se posicionar com ideias e propostas.

6) Autonomia, Mobilidade e Mudança: Querem autonomia para descobrir as coisas por si mesmos e são “multi-canais” na hora de buscarem informações. Amam a mobilidade e espaços compartilhados. Mudam de direção com rapidez, sem apegos e não se assustam quando constatam que “não estamos no controle de tudo”. Frases do tipo “sempre fizemos assim” ou “isso nunca foi feito antes por aqui” não inibem sua atitude empreendedora.

Enfim, para eles o tempo passa depressa, e por isso precisam sentir que estão fazendo a diferença.

LEMBRE-SE: CONSCIÊNCIA TRANSFORMA A REALIDADE.

ROGÉRIO CHÉR, é sócio da Empreender Vida e Carreira, autor do best-seller Empreendedorismo na Veia – um aprendizado constante e do livro Engajamento – melhores práticas de Liderança, Cultura Organizacional e Felicidade no Trabalho.

 

Comments

comments