Falar sobre engajamento é falar sobre felicidade no trabalho. Mas estar feliz autenticamente não significa estar alegre o tempo todo. Uma das evidências de estar engajado de verdade passa pelo que chamo de os 3I’s da atitude engajada: impaciência, inquietude e inconformismo. A “paisagem” de alguém feliz, portanto, nem sempre corresponderá ao esteriótipo de felicidade: quando nos importamos com algo, não aceitamos nada que não seja a melhor e mais fantástica possibilidade de presente e futuro. Um sinal de que estamos comprometidos de corpo e alma.

Para definir engajamento, tenho recorrido à seguinte ideia:

Engajamento pressupõe um estado emocional com alto nível de comprometimento com alguém, ou com alguma coisa, em uma visão de longo prazo.

É mais do que estar satisfeito ou motivado. É estar altamente comprometido, com um desejo de manter certo relacionamento por longo tempo.

Em minha experiência, podemos reter talentos, mas isso não significa que estejam necessariamente engajados. Alguém “retido” lembra “detido”, “retenção” remete a “detenção”. Estar engajado enseja desejo e vontade de fazer parte, muito mais do que alguém que mantem uma relação porque sair dela parece mais complicado do que mantê-la.

São 6 as variáveis que definem o engajamento:

  • Talento: sentir que uso meus principais talentos em meu trabalho será uma das mais fortes alavancas para o engajamento. As empresas amam falar de pontos fracos, ironicamente chamados de “lacunas de competência” ou ”pontos de melhoria”. São pontos fracos! O líder que engaja e inspira abre espaço para as pessoas ampliarem consciência para aquilo em que são especialmente habilidosas, de modo a configurarem seus desafios em torno de seus pontos fortes. Há pessoas, entretanto, que passam os dias emaranhadas em seus pontos fracos. Como se sentir engajado quando estamos distantes dos nossos talentos?
  • Conexão com Causa: admirar a proposta de valor da empresa, avalizar a qualidade dos seus produtos e serviços, respeitar a reputação da organização e de seus Líderes, bem como admirar o impacto que a empresa causa em seu mundo são características dos indivíduos engajados. Quando os Líderes conseguem evidenciar que conduzem não apenas bons negócios, mas causas nobres vinculadas ao trabalho que gerenciam, ampliarão as chances de terem pessoas com orgulho de pertencer.
  • Contribuição: tão importante quanto viver meu talento no trabalho e perceber que nossa empresa está ancorada em uma causa relevante, será enxergar como minha contribuição impacta o Propósito que compartilhamos. O líder que engaja e inspira apoia sua equipe a perceber como cada um contribui com o visão de futuro aspiracional que se constrói todos os dias.
  • Relacionamentos: o ser humano é um bicho que vive em bando. E quando os relacionamentos não são significativos, uma parte importante da felicidade estará comprometida. Será preciso investir recorrentemente na construção de times cujas relações são marcadas por confiança, pela capacidade de conflitar produtivamente, pelo comprometimento com objetivos comuns, por uma cultura de responsabilização e pela atenção a resultados. Identificar-se com as pessoas com as quais trabalhamos tem peso expressivo para o engajamento.
  • Identidade com a Cultura: sentir-se alinhado com a empresa em Propósito e Valores é outro requisito para o engajamento. Perceber coerência entre o que se fala e o que se faz, além de compreender quais comportamentos no dia a dia reforçam a identidade desejada, aumentará o nível de comprometimento das pessoas e dos times. Empresas em que seus líderes são expressão autêntica da Cultura desejada forjam bons ambientes de trabalho, clima organizacional positivo e forte engajamento.
  • Desafios: estar engajado dependerá da percepção do quanto evoluímos. Esta percepção depende da aprendizagem contínua, da clara noção do quanto crescemos. Isso será possível a partir do quão desafiados estamos em nosso trabalho. Estar diante de desafios maiores do que nossa prontidão acelera nossa aprendizagem e a sensação de crescimento pessoal e profissional.

Do ponto de vista do Líder, manejar cada uma destas variáveis possibilita engajar e inspirar os Times.

LEMBRE-SE: CONSCIÊNCIA TRANSFORMA A REALIDADE.

ROGÉRIO CHÉR, é sócio da Empreender Vida e Carreira, autor do best-seller Empreendedorismo na Veia – um aprendizado constante e do livro Engajamento – melhores práticas de Liderança, Cultura Organizacional e Felicidade no Trabalho.

 

Comments

comments