Kim Cameron e Robert Quinn, ambos professores da Universidade de Michigan, no livro Diagnosing and Changing Organizational Culture, apresentam 4 estilos de Cultura mais comuns entre diferentes empresas:

Clã / Adhocracia / Hierarquia / Mercado

Estes não são, evidentemente, os únicos tipos de Cultura, dada a diversidade e complexidade de diferentes Identidades Organizacionais. Mas estas 4 nomenclaturas ajudam a perceber características dominantes no jeito de ser e fazer da organização. Isso é fundamental para identificar:

1) Eventuais diferenças entre a Cultura atual e a Cultura alvo;

2) Necessidades de mudança em Valores e Comportamentos capazes de acelerar a desejada transformação organizacional;

3) Símbolos e Sistemas que precisam ser alterados para diminuir a incoerência entre a fala e a ação;

4) Uma nova arquitetura de competências organizacionais;

5) O perfil de liderança mais compatível com a mudança cultural a ser implementada;

6) A missão e o perfil do RH, além da agenda específica que precisa patrocinar.

Cada um destes 4 estilos de Cultura guardam características específicas:

Clã: Coesão de Valores / Participação / Comunicação, Pessoalidade / “Família” / Mentoring / Desenvolvimento / Fortes redes de relacionamento. Nesta Cultura, Liderar significa:

  • Trabalho em Equipe, estimulando a coesão e a alta performance dos Times.
  • Cuidar das relações interpessoais, fomentando a confiança e a comunicação aberta.
  • Focar o desenvolvimento do capital humano por meio de coaching, feedback honesto e assegurando crescimento pessoal.
  • Estimular colaboração e cooperação, estimulando um senso de comunidade.
  • Fomentar compaixão e carinho demonstrando empatia, sensibilidade e defesa dos colaboradores.

Adhocracia: Dinamismo / Empreendedorismo / Pessoas tomam riscos / Inovação como Valor / Adaptabilidade / Crescimento / Produtos e Serviços de Ponta. Nesta Cultura, Liderar significa:

  • Fomentar inovação e empreendedorismo, patrocinando novas ideias e estimulando um ambiente de criatividade e experimentação.
  • Guiar a empresa rumo ao futuro, apoiando as pessoas a visualizarem seu destino e desenvolvendo uma clara estratégia para atingir sua visão.
  • Estimular evolução e mudança, facilitando um clima de novas iniciativas e atualização contínua.
    Incentivar a criatividade, encorajando os demais a gerarem ideias, criarem processos e aprenderem com tentativa e erro.
  • Fortalecer agilidade e flexibilidade, apoiando os negócios a atuarem com velocidade.

Hierarquia: Estrutura e Processos / Coordenação e Eficiência / Estabilidade é um Valor / Eficácia / Processos enxutos. Nesta Cultura, Liderar significa:

  • Promover análises racionais, dados, decisões racionais e resolução de problemas.
  • Estimular a clareza de informações, políticas e processos claros e colaboradores conscientes dos seus objetivos e responsabilidades.
  • Fomentar alta confiabilidade, sem defeitos, desperdícios e com precisão nos detalhes.
  • Conduzir e implementar processos consistentes e de qualidade.
  • Incentivar a mensuração para monitorar processos e resultados com reporte regular.

Mercado: Orientada a Resultados / Foco no Trabalho a ser Feito / Realização e Competição são Valores / Orientada ao Cliente. Nesta Cultura, Liderar significa:

  • Reforçar a competitividade, estabelecendo metas ambiciosas, fomentando um senso de competitividade e assegurando êxito sobre os competidores.
  • Fortalecer relacionamentos com clientes, mantendo frequente contato com clientes e assegurando sua satisfação.
  • Acelerar com mais velocidade e performance, endereçando rapidamente os temas importantes.
  • Ampliar a intensidade, insistindo no trabalho duro e fortalecendo uma performance de classe mundial.
  • Gerir por resultados, motivando o atingimento de altos níveis de desempenho e provendo diretrizes que garantam excelência na execução.

É esperado que toda organização tenha um pouco de cada um destes 4 estilos, tendo um deles como mais dominante. Em diversos dos meus clientes, o que muda entre uma empresa e outra é a calibragem que ela põe em cada estilo. Ou seja, uma empresa pode fazer a escolha de aumentar sua Adhocracia e diminuir a Hierarquia, por exemplo, mantendo inalterado seu perfil de Clã e Mercado. A identidade singular da organização estará na combinação intencional e consciente que escolher, bem como na clareza entre a Cultura vivida e a desejada.

E na sua empresa? Qual o estilo cultural dominante? Que combinação adota entre estes 4 estilos? Compartilhe sua experiência comigo.

LEMBRE-SE: CONSCIÊNCIA TRANSFORMA A REALIDADE.

ROGÉRIO CHÉR, é sócio da Empreender Vida e Carreira, autor do best-seller Empreendedorismo na Veia – um aprendizado constante e do livro Engajamento – melhores práticas de Liderança, Cultura Organizacional e Felicidade no Trabalho.

Comments

comments